Histórias do Agro Sergipano (Capítulo III) | Haroldo Araújo Filho | F5 News - Sergipe Atualizado

Histórias do Agro Sergipano (Capítulo III)
Fazenda Cometa: Referência de resiliência e sucesso em família
Blogs e Colunas | Haroldo Araújo Filho 23/08/2021 07h47 - Atualizado em 23/08/2021 14h40

Dando prosseguimento às histórias do Agro Sergipano, a coluna de hoje retratará a jornada da família de Anderson Jonnhy Barbalho Souza, da Fazenda Cometa, localizada no município sergipano de Pinhão. Unanimemente considerada uma referência produtiva no estado.

A Fazenda Cometa foi adquirida em 1986 pelo patriarca da família, João Barbosa Souza, e até o ano de 1989 teve como atividade principal a cultura do Algodão e posteriormente a pecuária extensiva.

As frequentes secas dos primeiros anos da década de 1990 comprometeram demasiadamente a agropecuária da região, não sendo diferente com a Cometa.

Para a família de Anderson, as consequências foram além dos impactos negativos na atividade produtiva, a extenuação provocada pela seca ceifou a vida do patriarca, que veio a falecer em 11 de janeiro de 1994, vítima de infarto.

A matriarca da família, Alexandrina Maria Barbalho Souza, se deparou com o momento mais desafiante de sua vida, conviver com a morte prematura do seu esposo, tocar os negócios rurais da família e criar os quatro filhos (Alexandra, Anderson, André e Alinne) todos em idade escolar e, por causa disso, morando em Aracaju. Esse difícil momento foi atenuando pela valiosa assistência oferecida pelos seus irmãos, Manoel, Chico e Zeca.

Logo em seguida, impactados ainda com os efeitos das recentes secas, a família decidiu plantar 100 tarefas de palma forrageira com intuito de minimizar possíveis danos de outros períodos difíceis. Associado a isso, arrendaram algumas parcelas da Cometa para o plantio de milho com o objetivo de renovar as pastagens.

À medida que os anos se passavam, os filhos iam se envolvendo cada vez nas atividades da Fazenda, até que, após a conclusão do segundo grau, Anderson, então com 19 anos, passa a se dedicar exclusivamente à Cometa.

Em 1997, já sob a coordenação de Anderson, vislumbrou-se que o cultivo de milho seria a atividade mais promissora para a fazenda. Então, a família decide plantar suas primeiras 80 tarefas, aproveitando o velho maquinário utilizado por seu pai nos tempos do algodão. A colheita dessa primeira safra (28 toneladas, equivalentes a dois caminhões carregados) foi motivo de muita alegria.

Já no ano seguinte, acessaram financiamento com o objetivo de comprar o primeiro trator com implementos agrícolas para o plantio de milho. Com os bons resultados da safra, Anderson vai ao banco já para quitar o empréstimo e financiar mais maquinários. Tal atitude foi motivo de desconfiança por parte do agente financeiro, não só por sua pouca idade, mas também por um ainda haver um certo descrédito quanto a viabilidade da cultura do milho na região.

Desde então, ano a ano, a Fazenda Cometa vem conseguindo aumentar seus índices de produção e rentabilidade, atingindo, em 2021 a produção de 3.600 toneladas de milho. Ou seja, em pouco mais de vinte anos saiu de 28 toneladas produzidas para as incríveis 3.600 toneladas. Além disso, agregaram ao sistema produtivo da fazenda o confinamento anual de 500 cabeças de gado. Especialmente, nessa atividade, Anderson conta com a preciosa ajuda de sua esposa Patrícia Barbalho, Zootecnista especialista em bem-estar animal.  

A receita do sucesso de Anderson está baseada em não se acomodar com resultados positivos, mas em buscar cada vez mais conhecimento técnico para melhorar sua atividade. Não é por menos que empresas do setor elegeram a Fazenda Cometa como uma das maiores referências para difusão de insumos e equipamentos. Assim também a Embrapa que utiliza de suas terras para pesquisas referentes ao cultivo de milho.

A frase de Anderson: “Meu pensamento é produzir o máximo possível, sem degradar o meio ambiente, e sempre procurando melhorar suas condições" demonstra uma outra característica do sucesso da Fazenda Cometa que é produzir entendendo e respeitando as caraterísticas naturais de sua região. Por isso, que Anderson é um adepto de técnicas e práticas conservacionistas, dentre elas o uso racional de defensivos agrícolas e o plantio direto. Ademais, a valorização de seus funcionários também é um predicado marcante da prosperidade da Cometa.

Por fim, Anderson e família não são somente um exemplo de competência nas atividades desenvolvidas na Cometa, mas, especialmente, pela resiliência, sabedoria e união ao enfrentar os árduos desafios da vida.

Mais Notícias de Haroldo Araújo Filho
O uso ilegal da Cama de Frango
04/10/2021  08h32 O uso ilegal da Cama de Frango
Histórias do Agro Sergipano (Capítulo IV)
20/09/2021  07h42 Histórias do Agro Sergipano (Capítulo IV)
Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR)
06/09/2021  08h34 Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR)
As mulheres no Agro
09/08/2021  08h30 As mulheres no Agro
O Homem e o Cavalo
19/07/2021  09h14 O Homem e o Cavalo

Blogs e Colunas
Haroldo Araújo Filho
Haroldo Araújo Filho

Engenheiro Agrônomo do Incra/Ministério da Agricultura, formado pela Universidade Federal de Sergipe, pós-graduado em Irrigação (UFS). Secretário de agricultura de Riachão do Dantas (2005-2007); Superintendente regional do Incra em Sergipe ( 2016-2017); Delegado da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário em Sergipe (2017). Antes de ingressar no serviço público atuou em empresas comerciais do ramo agropecuário.

E-mail: hafaraujo@yahoo.com.br

O conteúdo e opiniões expressas neste espaço são de responsabilidade exclusiva do seu autor e não representam a opinião deste site.