Billions mostra a força da grana que ergue e destrói coisas belas | Levando a Série | F5 News - Sergipe Atualizado

Billions mostra a força da grana que ergue e destrói coisas belas
Na série com cinco temporadas, dinheiro e poder são os instrumentos e os objetivos finais
Blogs e Colunas | Levando a Série 05/11/2021 17h24 - Atualizado em 07/11/2021 15h01

Ninguém precisa entender as nuances do mercado financeiro para apreciar a história de Billions, série que chegou ao final de sua quinta temporada na Netflix. Jamais destinei qualquer atenção à Bolsa de Valores, por falta de interesse e de dinheiro sobrando para investir, simples assim. Portanto, todos aqueles números e gráficos mutantes são tão familiares a mim quanto os hieróglifos do antigo Egito. Óbvio que, para as pessoas a entenderem tais meandros, o enredo fica ainda mais saboroso, presumo. Entretanto, a alma da série reside nos embates entre a dupla de personagens principais, seu desdém visível à ética e os caminhos trilhados por ambos que, na prática, denotam propensão fácil a colocar dinheiro e poder acima de tudo. 

Registre-se que nada tenho contra o mercado de ações, embora eu seja conservadora nesse único aspecto: onde colocar minhas parcas economias.  No momento atual, porém, em que dinheiro na poupança é rapidamente carcomido pela inflação, tenho acompanhado amigos e familiares num interesse crescente em aprender como operar com a Bolsa de Valores. Penso que devem estar certos, mas eu só me lembro da Grande Depressão nos EUA, impulsionada pelo crash da Bolsa de Nova York em 1929, reverberando numa onda de pobreza que tomou o país e sobre a qual tenho conhecimentos porque estudei História direito. A outra catástrofe econômica testemunhei – de fora, felizmente –: a implosão da chamada “bolha da internet”, no final de 1999, quando teve gente que dormiu rica e acordou sem um centavo.

 Mas por que alguém como eu se mete a assistir Billions, cujo enredo se desenrola 90% do tempo ligado ao mercado de ações? Respondo: comecei por causa dos protagonistas e continuei até o desfecho da quinta temporada porque a história me seduziu. Sou muito fã de Paul Giamatti, ator de extensa e respeitável filmografia, um camaleão ora a nos fazer rir, ora a chorar. O intérprete de seu oponente na história, Damian Lewis, é outro fera, com a diferença de ter atuação preponderante em seriados.

Giamatti encarna o procurador Charles ‘Chuck’ Rhoades, sujeito tão inteligente quanto ambicioso que se lança incansável a um propósito: colocar na cadeia o personagem de Damian, Robert Axelrod, dono e comandante sagaz da Axe Capital, uma empresa muito eficiente na tarefa de aumentar as fortunas dos investidores a quem representa. Axel é um aclamado ícone no ramo dos fundos de hedge, uma espécie de condomínio de cotistas cujos investimentos formam o patrimônio a ser aplicado exclusivamente pelo gestor, no caso a Axe Capital. Nesse caminho, Bobby Axelrod tornou-se multibilionário, não raro operando com base em informações obtidas de forma privilegiada, portanto de uso ilegal à luz da justiça. A questão é: como Rhoades conseguirá provar isso?

Os dois protagonistas encarnam anti-heróis de moral bastante flexível, mas isso não reduz seus respectivos encantos – mesmo com o público provido de cérebro ciente de que muito daquilo acontece no mundo real. À semelhança do Professor em La Casa de Papel, ambos antecipam as jogadas um do outro, num jogo de gato e rato que diverte – e, para mim, deixou ainda mais evidente a pertinência daquela antiga máxima: “dinheiro não traz felicidade”. A falta dele gera indignidades e sofrimento, não há dúvida, mas em excesso, ou quando passa a dominar o suposto proprietário dele, a destruição também pode ser imensa e pulverizada pelo entorno.

Axel chega a amealhar uma fortuna de 40 bilhões de dólares; o abismo social com o resto da humanidade lhe soa irrelevante, não desperta qualquer reflexão ou empenho em compartilhar um tantinho do muitíssimo que tem. Mas essa dinheirama que eu e você nunca veremos – nem ganhando na Mega-Sena - tampouco é capaz de resolver seus dilemas internos, em especial os causados pelo abandono de um pai que espancava a ele e à esposa, sua mãe.

Curiosamente, no quesito pai, de quem herdou o nome – mas não o apelido –, o procurador Chuck Rhoades também não deu sorte. Charles Rhoades Sr., um bem-sucedido empresário em Nova York, com atuação no ramo imobiliário e da construção civil, vive uma relação para lá de estranha com o filho, a quem adora colocar para baixo, em jorros de críticas ferinas e cruéis. Além disso, o envolvimento do patriarca em negócios no mercado de ações leva Chuck a um estado de perene preocupação. Nem tanto com o bem estar do pai, mas pelo temor de qualquer tramoia possa comprometer sua carreira, se vier à tona.

Outra curiosidade está no estilo do bilionário Axel. Ele só se veste em jeans e moletons, embora cada casaco daqueles provavelmente custe o preço de um carro. O que move o financista não é simplicidade, nem de longe, mas uma postura arrogante a afirmar: “não estou nem aí”. A egolatria de Axelrod – e seu ardor em destruir os inimigos – encontra ótimo exemplo em uma cena na qual diz, cuspindo fogo: “I'm not human, I'm a machine, I'm a fucking terminator” (Eu não sou humano, eu sou uma máquina, eu sou a porra de um exterminador).

A seu lado, como braço direito e fiel escudeiro, está Mike Wagner, o Wags, um cara feroz com todos os que ousam atravessar o caminho de seu idolatrado chefe e amigo. A bem da verdade, Wags está entre as pouquíssimas pessoas pelas quais Axel nutre verdadeiro afeto. O ator David Costabile é um veterano em séries, onde atuou como coadjuvante – em House, The Office e Breaking Bad, entre outras –, por vezes chegando a personagens de maior destaque, como em Suits e na própria Billions. Ele imprime ao personagem Wags um estilo muito peculiar, capaz de nos distrair de suas facetas antiéticas e devassas, exercitadas em farras homéricas, com muito sexo casual e farto consumo de drogas, legais e não.

Em Billions, a equação homens/brancos/poderosos usando recursos em prol de interesses escusos – na maior parte do tempo – se reveza com a participação feminina, apesar de, no cômputo geral, as personagens se pautarem por trajetórias de bases semelhantes, em detrimento do prestígio a valores imateriais.

A principal delas é a psiquiatra Wendy Rhoades (Maggie Siff), esposa do promotor Chuck e, pasmem, peça importante na Axe Capital, onde ajuda os membros da equipe a lidarem com a pressão por ganhos contínuos para os investidores e pela atração de novos clientes à carteira da empresa. Porém, mais do que tratar os problemas internos da turma, ela é conselheira e amiga do chefão Bobby Axelrod. Não passa pela cabeça de ninguém o que pode ser classificado como um gigantesco conflito ético.

Um dos maiores saltos de qualidade de Billions foi a entrada em cena de Taylor, na segunda temporada, talento singular no campo dos fundos de hedge, sob interpretação de Asia Kate Dillon. O primeiro papel não-binário da TV norte-americana – ou seja, que não se identifica estritamente como homem ou como mulher – traz à série um charme extra, embora essa característica de Taylor não seja definidora de sua performance e tampouco tenha de fato importância em sua presença na história. Tudo é tratado com naturalidade, como deve ser, penso eu, incluindo a Netflix se ocupar em adotar a chamada linguagem neutra nas legendas que se referem a Taylor. Há quem considere mimimi ou exagero, mas eu, visceral apreciadora de respeito às escolhas de cada um – desde que não incluam maldade –,  achei lindo.

Entre traições e reviravoltas, Billions diverte e ensina – pessoalmente falando, reafirmou o que não desejo para minha vida. O desfecho da quinta temporada, mesmo um tanto óbvio no que tange a Bobby Axelrod, não decepciona e tem outro viés proveitoso, o de expor potenciais preços altíssimos a serem pagos por quem coloca dinheiro acima de tudo.

Para maratonar:

Billions – Cinco temporadas, total de 60 episódios, disponível completa na Netflix.

 

 

Mais Notícias de Levando a Série
Confira as cinco primeiras colocadas no Top 10 de ‘Levando a Série’ em 2021
19/12/2021  20h00 Confira as cinco primeiras colocadas no Top 10 de ‘Levando a Série’ em 2021
Confira a primeira parte do Top 10 de ‘Levando a Série’ em 2021
12/12/2021  21h30 Confira a primeira parte do Top 10 de ‘Levando a Série’ em 2021
Arte: Sidney Xambu
05/12/2021  15h00 ‘Locke & Key’ e ‘A Roda do Tempo’: a fantasia e seus lucros levados muito a sério
Arte: Sidney Xambu
27/11/2021  20h35 ‘Close Enough’: pais inexperientes vivem situações cômicas em animação para adultos
Arte: Sidney Xambu
21/11/2021  14h00 ‘Midnight Mass’ e ‘Lore’ expõem potencial maléfico da ignorância e do fanatismo