ACADEMIA ENQUANTO ACENDEM AS FOGUEIRAS
Blogs e Colunas | Luiz Eduardo Costa 04/12/2019 19h31 - Atualizado em 04/12/2019 19h34

(Os professores Jorge Carvalho, Antônio Freitas, José Lima e Dilson Barreto, fundadores da Academia, foram convidar o ex-reitor da UFS agora secretário da Educação, professor Josué Subrinho, para a solenidade instalação)

Jorge Carvalho está agora aposentado como professor da Universidade Federal de Sergipe. Ainda, mais ou menos jovem, cheio de energia e repleto de ideias, nunca vestiu o pijama da ociosidade. Continua ensinando, escrevendo, fazendo ótimas fotos, e sempre a procura do que mais fazer. O foco maior da sua preocupação intelectual sempre foi a Educação. 

Resolveu então reunir educadores, estudiosos dos problemas educacionais, dialogou muito com amigos, fez parceria com a Academia Sergipana de Letras, da qual faz parte, e decidiu que, juntos, iriam criar uma Academia Sergipana da Educação. E ela já foi criada. Resta agora para começar e mostrar a que veio empossar os seus quarenta membros fundadores, o que acontecerá nessa quinta -feira, dia 5.
Se a Academia vem para exercer o papel que deve ser inerente aos que pensam: defender a liberdade de pensar, então, o momento é dramaticamente o mais propício para isso.
Estamos assistindo em nosso país um processo de extremismo ideológico que nos faz retroceder aos tempos da Inquisição.    
Não demora, estarão a acender fogueiras.

Uma Academia voltada para a Educação, reunindo quem tem o compromisso de pensar, pode ser mais um instrumento de clarificação das trevas, que começam a encobrir o espaço intelectual brasileiro, onde a intolerância  avança.
Às  Academias está reservado  o papel essencial do ativismo da razão,  e da civilidade. Nesse tempos  tão conturbados, até as ideias iluministas que, no século dezoito, ajudaram a forjar e modelar a sociedade moderna, tornam-se alvo dos novos bárbaros, que despertam de uma hibernação letárgica nas cavernas da ignorância. 
No caso específico da Educação não há tempo a perder.
O ministro da pasta chama professores de “zebras gordas”, e diz que nas nossas Universidades públicas, há plantações de maconha, e laboratórios onde produzem uma variedade de estupefacientes. Resolveram fazer uma guerra escancarada contra a cultura brasileira, e reduzem  o sistema publico de Educação a um campo de batalha onde chegam como cavaleiros mambembes, qual Don Quixotes truculentos, incapazes de enxergar o que existe de generosidade e sonho no personagem épico de Cervantes,  também encarnando uma sátira contra tudo o que existia de rançoso no medievo, que  eles agora revivem.
Que a nova Academia surja para debruçar-se sobre os gravíssimos problemas afetando o ensino público, agravados  na última década, e possa contribuir para o restabelecimento da racionalidade, fazer com que o diálogo civilizado substitua  a troca de insultos, e  possamos  conviver com as divergências, sem trocar o argumento pelo tacape. 

A Academia da Educação tem 40 Cadeiras, cada uma com um patrono e um acadêmico, que são respectivamente: 1- Ofenísia Soares Freire / Luzia Nascimento; 2- Nunes Mendonça / Jorge Carvalho; 3- Felte Bezerra / Márcia Valéria; 4 – Carvalho Neto / Paulo Amado; 5 - Etelvina Amália / Dilson Barreto; 6- Emanuel Franco / Maria das Graças Albuquerque; 7- Keziah Kolb / Ester Villas Boas; 8- Helvécio de Andrade / Ricardo Nascimento;  9-Zizinha Guimarães/ Manoel Humberto; 10- Antônio Xavier de Assis / Carlos Pinna; 11- Silvério Leite Fontes /  Anamaria Bueno; 12 - Franco Freire/ Bernard Charlot; 13- Rocha Lima / Gabriela Zelice; 14- Luciano Duarte/ Patricia Verônica ; 15- Manoel Joaquim / Jouberto Uchoa; 16- Manoel Luiz / José Fernandes Lima; 17- Jose de Alencar Cardoso / Estácio Bahia;  18- Mariah Galrão / Denisson Ventura;  19- Thetis Nunes / Jose Lima Santana; 20 - João Cardoso / Antônio Fontes Freitas; 21- Abdias Bezerra / Caludefranklin Monteiro; 22 - Francisco Portugal / Fedro Portugal; 23- Leozírio Guimarães/ Olga Andrade; 24- Sebastião dos Santos / Sebastião Filho; 25-  José Amado Nascimento / Geraldo Bezerra;  26- Fernando Porto / Eliana Borges; 27- Alfredo Montes /  Lúcio Prado ; 28 – Antônio Garcia / Aderval Aragão; 29 – Acrísio Cruz / Marieta Barbosa; 30 – Quintina Diniz / Eliane  Moura Morais; 31- Brício Cardoso / Paulo do Eirado; 32 - Penépole  Magalhães / Roberto Cezar do Prado; 33- Rosa Farias / Deborah Pimentel; 34 – Benedito Oliveira / Marlene Calumbi ; 35- Jose Antônio da Costa Melo / Iara Campelo ; 36 – Luiz Antônio Barreto /  Anderson Nascimento / 37 – Jose Carlos de Souza /  Antônio Carlos Souza;  38 – Baltazar Góis / Elito Hora; 39- José Calazans / Guilherme Nascimento; 40 – Maria Lígia Pina / Jane Nascimento.
Para ser o primeiro presidente da ASE os acadêmicos elegeram o professor doutor Jorge Carvalho do Nascimento.

Mais Notícias de Luiz Eduardo Costa
TEXTOS ANTIVIRAIS (25)
05/08/2020  22h06 TEXTOS ANTIVIRAIS (25)
TEXTOS ANTIVIRAIS (24)
25/07/2020  21h12 TEXTOS ANTIVIRAIS (24)
TEXTOS ANTIVIRAIS (23)
14/07/2020  21h36 TEXTOS ANTIVIRAIS (23)
TEXTOS ANTIVIRAIS (22)
13/07/2020  22h13 TEXTOS ANTIVIRAIS (22)
TEXTOS ANTIVIRAIS (21)
29/06/2020  16h27 TEXTOS ANTIVIRAIS (21)

Blogs e Colunas
Luiz Eduardo Costa
Luiz Eduardo Costa

É jornalista, escritor e membro da Academia Sergipana de Letras e da Academia Maçônica de Letras e Ciências. Ambientalista, fundou o Instituto Vida Ativa que, dentre outras atividades, viabilizou em 18 anos o plantio de mais de um milhão de mudas da Caatinga e Mata Atlântica.

E-mail: lecjornalista@hotmail.com

O conteúdo e opiniões expressas neste espaço são de responsabilidade exclusiva do seu autor e não representam a opinião deste site.
Dark Room recebe Luciana Galvão
Dark RoomDark Room recebe Luciana Galvão
Dark Room recebe Dj Pipo
Dark RoomDark Room recebe Dj Pipo