Juiz de Itabaiana estipula fiança em R$ 54.5 milhões | F5 News - Sergipe Atualizado

Juiz de Itabaiana estipula fiança em R$ 54.5 milhões
Valor é o maior permitido para prisão por porte ilegal de arma
Brasil e Mundo 12/08/2011 14h45

O juiz Marcelo Cerveira Gurgel, de Itabaiana (SE), fixou a fiança de R$ 54,5 milhões para soltar um homem preso por porte ilegal de arma. O valor é o maior permitido para o caso.

Segundo a polícia, Hélio Márcio Pereira dos Santos, flagrado com a arma, confessou que recebeu R$ 2.000 para matar uma mulher grávida de sete meses.

Na decisão, de julho, o juiz diz que a mudança no Código de Processo Penal não permite a prisão preventiva por porte ilegal de arma, cuja pena é inferior a quatro anos.

Ele, então, decidiu conceder a liberdade provisória mediante fiança, dependendo do crime e da capacidade financeira do preso. O juiz considerou o valor "inestimável" da vida da vítima que supostamente seria morta e fixou o maior valor possível para o caso -cem salários mínimos aumentados em mil vezes.

Mais Notícias de Brasil e Mundo
Lei que proíbe sacrifício de cães e gatos saudáveis por órgãos públicos é sancionada
23/10/2021  13h06 Lei que proíbe sacrifício de cães e gatos saudáveis por órgãos públicos é sancionada
Eutanásia é permitida em casos de doenças graves ou infectocontagiosas incuráveis
Foto: Jules Beau/Domínio Público
23/10/2021  12h00 Primeiro voo há 115 anos: Santos Dumont aliou invenções à ciência
Gênio brasileiro conquistou a dirigibilidade, criou balões e avião
Agência Brasil/Reprodução
23/10/2021  09h15 Mega-Sena deve pagar neste sábado R$ 26,5 milhões em prêmios
O sorteio será às 20h no Espaço Loterias Caixa, na cidade de São Paulo
Foto: Agência Brasil/Reprodução
23/10/2021  08h00 Fiocruz recebe nova remessa de IFA neste domingo, 24
Insumo é suficiente para fabricar 5,6 milhões de doses de vacina contra o coronavirus
Foto: Agência Brasil/Reprodução
22/10/2021  14h10 Morte violenta atinge 6,97 mil crianças e adolescentes por ano no país
Segundo estudo, na faixa etária de 5 a 9 anos de idade, 76% conheciam o agressor