MEC destina R$ 900 mil para projeto de reconstrução do Museu Nacional
Recurso liberado será voltado apenas para o projeto executivo
Brasil e Mundo | Por Agência Brasil* 10/06/2019 06h12 - Atualizado em 10/06/2019 13h07

Nesta semana, o Ministério da Educação (MEC) destinará R$ 908.800 à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para custear o projeto executivo da fachada e do telhado do Museu Nacional do Rio de Janeiro, administrado pela instituição. O acervo foi incendiado em setembro do ano passado.

Segundo a assessoria de imprensa do MEC, a medida foi possível após uma realocação de recursos da pasta. “Entendemos a necessidade de resgatar parte da nossa história que, lamentavelmente, foi perdida naquele incêndio. Conseguimos remanejar o orçamento, que não está dentro da parcela contingenciada, para a continuidade da recuperação do museu”, afirmou o secretário de Educação Superior do MEC, Arnaldo Lima.

O recurso, liberado em uma única parcela, será voltado apenas para o projeto executivo, e não para as obras em si. É nessa etapa que a UFRJ, por meio do museu, faz o detalhamento do plano arquitetônico e de engenharia, do cronograma e do orçamento da obra.

Com os mais de R$ 900 mil que serão entregues nesta semana, o MEC contabiliza o repasse de mais de R$ 11 milhões diretamente para a UFRJ para as ações emergenciais no Museu Nacional, desde o ano passado.

O montante de 2018 foi destinado à aquisição de espaços físicos onde são realizadas as atividades administrativas e laboratoriais e análise do acervo que restou após o incêndio, além do serviço para a retirada dos escombros, do escoramento da estrutura e da cobertura provisória para evitar a exposição do prédio à chuva e ao sol.

Fora essa quantia, há R$ 5 milhões transferidos do MEC para a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), por meio de uma parceria feita em 2018. O acordo estabelece a elaboração do projeto da parte interna do museu, que é tombado como patrimônio histórico e artístico. Já foram contratados pela Unesco assistentes executivo e de comunicação e gestor sênior.

Emenda parlamentar

A bancada do Estado do Rio de Janeiro, através de emenda impositiva, tinha disponíveis R$ 55 milhões para o Museu Nacional. A emenda, no entanto, sofreu um contingenciamento de R$ 11,9 milhões (não definido pelo MEC), para o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), entre outras normas. Com isso, o valor passou para R$ 43,1 milhões.

O orçamento já está disponível. No entanto, aguarda aprovação do plano de trabalho enviado pela UFRJ, na semana passada. O documento, que descreve todo o projeto de execução, está em análise pelo Ministério e, após ser aprovado, será enviado para a análise da bancada parlamentar fluminense.

Além disso, em reunião na semana passada com o diretor do Museu Nacional, Alexandre Kellner, o MEC se colocou à disposição para ajudar na interlocução com a Secretaria de Patrimônio da União, com o intuito de dar celeridade à liberação, em definitivo, de um terreno para a reconstrução do museu.

*Com informações da assessoria de imprensa do Ministério da Educação

Mais Notícias de Brasil e Mundo
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
14/12/2019  14h14 Brasil estuda implementar sistema de alerta de desastres por TV digital
Informação de riscos de deslizamento, enchentes seriam repassadas de forma imediata
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
14/12/2019  12h33 Vacinação contra sarampo atinge 99,4% das crianças de até 1 ano
Nove estados não cumpriram a meta de cobertura de 95% da população, diz MS
Cursos a distância superam presenciais em nota máxima
12/12/2019  08h52 Cursos a distância superam presenciais em nota máxima
Avaliação é do Inep e mede a qualidade do ensino superior
Greta Thunberg é escolhida a 'Pessoa do Ano' pela revista Time
11/12/2019  10h53 Greta Thunberg é escolhida a 'Pessoa do Ano' pela revista Time
Preconceito e discriminação afetam diagnóstico do HIV/aids
11/12/2019  10h14 Preconceito e discriminação afetam diagnóstico do HIV/aids
Índice do Unaids mostra estigma contra pessoas que vivem com o vírus