Inadimplência e endividamento das famílias recuam em novembro, diz CNC
O cartão de crédito é o principal tipo de dívida, afetando 77,4% das famílias endividadas
Economia| Por Agência Brasil 05/12/2018 13:20 - Atualizado em 05/12/2018 14:00

O percentual de famílias endividadas e inadimplentes recuou, em novembro deste ano, em relação ao mês anterior e a novembro do ano passado. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a parcela de famílias com dívidas em novembro ficou em 60,3%, abaixo das taxas de outubro (60,7%) e novembro do ano passado (62,2%).

O percentual de famílias inadimplentes, ou seja, que têm dívidas ou contas em atraso, ficou em 22,9% em novembro, taxa inferior aos 23,5% de outubro e aos 25,8% de novembro de 2017.

As famílias que não terão condições de pagar suas dívidas somam 9,5% do total em novembro, abaixo dos 9,9% de outubro e dos 10,1% de novembro do ano passado, segundo a CNC.

O cartão de crédito é o principal tipo de dívida, afetando 77,4% das famílias endividadas, seguido por carnês (14,8%) e por financiamento de carro (10,2%). Entre as famílias com contas ou dívidas em atraso, o tempo médio de atraso foi de 64,6 dias. O tempo médio de comprometimento com dívidas entre as famílias endividadas foi de 6,9 meses.

 

Mais Notícias de Economia
14/12/2018 10:44 Federação da Agricultura apresenta ao Governo propostas para o setor
A agricultura representa algo entorno de 240 mil empregos no Estado
13/12/2018 16:00 Governo de Sergipe suspende última parcela da antecipação do 13ª
Valor será acrescentado nas parcelas que serão pagas a partir de janeiro
13/12/2018 15:32 Câmara prorroga incentivos que beneficiam empresas sergipanas
Pelas regras em vigor, empresas podem obter uma redução de até 75% do IR
13/12/2018 15:30 Mais de 16 mil sergipanos nascidos em dezembro podem sacar o PIS
R$ 12 milhões foram liberados para o estado nesta fase de pagamento do abono
12/12/2018 20:01 Em novembro, inflação medida em Aracaju apresenta queda de 0,31%
Habitação e Saúde foram os principais responsáveis pelo declínio, segundo IBGE