Jornalistas e radialistas terão aumento de 8% retroativo a 1º de maio
Economia 12/08/2011 19h06

A pressão dos sindicatos dos Jornalistas e dos Radialistas foi grande, diante da falta de ter com quem negociar a Convenção Coletiva de Trabalho 2011/2012, já que o sindicato patronal está sem presidência. Mas surtiu efeito.

Após a última rodada de negociações na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), realizada na última quarta-feira 10, o sindicato patronal resolveu aceitar o percentual de 8% de reajuste linear aos salários dos comunicadores, retroativo a 1º de maio, conforme proposta dos sindicatos dos trabalhadores.

"Saímos de uma proposta de 5% inicial para 8%. Então, mesmo sem conseguirmos negociar as demais cláusulas que estavam em discussão, avançamos e mantivemos as demais conquistas na convenção. Então, diante das dificuldades de negociação, da instabilidade de estar sem convenção, foi interessante", avaliou o ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas, George Washington Silva.

Para o presidente do Sindicato dos Radialistas, Fernando Cabral, as discussões foram extremamente prejudicadas pela renúncia de Messias Carvalho da presidência do sindicato patronal, mas ao fim, os atos públicos e as cobranças dos sindicatos dos trabalhadores levaram ao fechamento de um acordo positivo para as categorias.

"Entendo que não chegamos onde queríamos, que era nos 9% de reajuste e mais avanços em itens das nossas pautas de reivindicações. Mas avançamos em 1,7% de ganho real sobre o INPC e não recuamos nas cláusulas das nossas convenções. Entretanto, não posso deixar de registrar nossa insatisfação com a situação que foi gerada com a renúncia de Messias Carvalho, que dificultou toda a negociação", afirmou Cabral.

O piso dos jornalistas sergipanos, com o reajuste fechado, passa a R$ 1.103,40, que deve ser pago retroativamente à data-base, 1º de maio. Para Caroline Santos, atual presidente do Sindijor, está longe de ser um piso condizente com a complexidade da profissão de jornalista e que valorize a categoria, mas houve um pequeno avanço.

"Vamos precisar lutar muito mais ao lado dos trabalhadores para que, nas próximas negociações, consigamos avançar no piso dos comunicadores sergipanos. Para além disso, avançar em cláusulas sociais, que os patrões se negam a negociar. Mas fechar a Convenção Coletiva foi, de certa forma, benéfico, porque trará estabilidade para os trabalhadores. Nunca se sabe o que pode vir do lado patronal", destaca a presidente do Sindijor.

Na próxima terça-feira, 16/8, às 19 horas, tem assembleia conjunta dos radialistas e jornalistas, na sede do Sindicato dos Radialistas, na Avenida João Ribeiro, para o fechamento da Campanha Salarial.

Mais Notícias de Economia
Reunião se estendeu até o começo da noite no Palácio dos Despachos. Foto: Mário Sousa/ASN
30/03/2020  21h01 Governo discute soluções para crise do coronavírus com setor produtivo
As entidades apontaram redução da atividade econômica do estado
Aneel autoriza operação comercial da Termoelétrica Porto de Sergipe
30/03/2020  11h49 Aneel autoriza operação comercial da Termoelétrica Porto de Sergipe
Unidades da Usina podem atender em média 15% da demanda do Nordeste
Coronavírus: BNDES anuncia R$ 2 bilhões de crédito para área da saúde
30/03/2020  07h18 Coronavírus: BNDES anuncia R$ 2 bilhões de crédito para área da saúde
Limite de crédito é de R$ 150 milhões por empresa a cada seis meses
Falta um dia para término do saque imediato de até R$ 998 do FGTS
30/03/2020  07h11 Falta um dia para término do saque imediato de até R$ 998 do FGTS
Dinheiro retornará à conta do trabalhador no dia 1º de abril, diz Caixa
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
28/03/2020  14h34 Governo lançará linha de antecipação de pagamento a fornecedores
Os gastos governamentais com fornecedores chegam a R$ 48 bilhões por ano