Número de jovens que não estudam nem trabalham aumentou em 2018
Fenômeno é fortemente influenciado pela interrupção dos estudos, diz IBGE
Economia | Por Agência Brasil 06/11/2019 14h27

Em 2018, 23% dos jovens de 15 a 29 anos - 10,9 milhões - não estudavam, nem trabalhavam, os chamados nem-nem. Foi o maior índice da série histórica. Os dados foram divulgados hoje (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na pesquisa Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2019, que analisa as condições de vida da população brasileira.

Entre os jovens de 18 e 24 anos, a incidência chega a 27,9% e nos jovens adultos, de 25 a 29 anos, a taxa de nem-nem é de 25,9%. Segundo o IBGE, o fenômeno é fortemente influenciado pela interrupção dos estudos. Os dados mostram que dos jovens de18 a 24 anos nessa condição, 46,6% não tinham concluído o ensino fundamental e 27,7% terminaram apenas essa etapa. Na faixa entre 25 e 29 anos, a proporção é de 44,1% e 31,2%, respectivamente. Dos jovens que concluíram o ensino médio, há mais nem-nem entre quem fez ensino regular do que entre os que concluíram o ensino técnico.

O gerente da pesquisa, André Simões, explica que o fenômeno dos jovens que não estudam e não estão ocupados é estrutural. “É um segmento estrutural, porque tem fatores que dependem de políticas específicas para que haja redução. Por exemplo, há um percentual elevado de mulheres, mulheres com filhos e também mulheres que realizam afazeres e cuidados domésticos que impedem que elas possam ir para o mercado de trabalho”.

Se entre os homens de 25 a 29 anos nessa condição 51,5% estavam desocupados, ou seja, buscavam trabalho, entre as mulheres na mesma idade a maior proporção está fora da força de trabalho, com 67,7% delas sem procurar trabalho. Segundo o IBGE, entre as justificativas apresentadas para não procurar ocupação remunerada estão os afazeres domésticos e o cuidado de filhos ou parentes.

Os dados do IBGE revelam que 2,4 milhões de jovens estão na situação de não estudar, não estar ocupado e não procurar trabalho. Entre esses, 57,4% estavam em desalento, provocado principalmente por falta de trabalho na localidade (39,6%), não conseguir emprego considerado adequado (10,7%) ou não ter experiência ou qualificação profissional (6,1%).

O recorte por rendimento demonstra a desigualdade social também nesse quesito. Entre os jovens que integram os 20% da população com menores rendimentos domiciliares per capita, 42,3% estavam na situação nem-nem em 2018; de 20% a 40% eram 29,2%; entre 40% e 60% somavam 18,3%; com rendimento de 60% a 80%, 10,1% dos jovens estavam nessa situação; e entre os 20% com os maiores rendimento a proporção é de 7%.

A taxa de desocupação geral no país em 2018 estava em 12%, mas no grupo de 14 a 29 anos chegou a 22,6% em 2017 e fechou 2018 em 22,3%.

Mais Notícias de Economia
Banco do Nordeste investe R$ 445 milhões em Sergipe durante a pandemia
05/06/2020  14h17 Banco do Nordeste investe R$ 445 milhões em Sergipe durante a pandemia
No estado, já foram realizadas 43,6 mil operações de crédito desde março
Cesta de compras de famílias de renda mais baixa tem queda de 0,30%
05/06/2020  10h22 Cesta de compras de famílias de renda mais baixa tem queda de 0,30%
Os dados foram divulgados pela Fundação Getúlio Vargas nesta sexta-feira
Caixa libera 2ª parcela para 2,6 milhões de beneficiários de auxílio
05/06/2020  10h10 Caixa libera 2ª parcela para 2,6 milhões de beneficiários de auxílio
Auxílio emergencial é de R$ 600 para beneficiários nascidos em junho
Senado aprova auxílio de até R$ 160 milhões para asilos
05/06/2020  08h00 Senado aprova auxílio de até R$ 160 milhões para asilos
Projeto vai à sanção presidencial e se justifica com base em crise econômica
Caixa libera saque da 2ª parcela de auxílio para nascidos em maio
04/06/2020  13h51 Caixa libera saque da 2ª parcela de auxílio para nascidos em maio
Mais de 50 bancos participam da operação de pagamento