Pesquisa aborda crescimento do comércio em Sergipe
Dia dos Pais gera expectativa de aumento de 7% a 8%
Economia 12/08/2011 16h35

Uma análise do Boletim Sergipe Econômico, feito pela FIES da Universidade Federal de Sergipe (UFS), revelou que no estado sergipano, as vendas do comércio varejista registraram neste ano variação de 0,9% em junho, comparando com o mesmo mês de 2010. De maio para junho deste ano, o volume de vendas no comércio do Estado, demonstrou variação positiva de 0,8% e as receitas nominais apresentaram expansão de 1,5%.

De acordo com o presidente da Federação da Câmara de Dirigentes Lojistas de Aracaju (FCDL), Gilson Figueiredo, o principal motivo para  o crescimento das vendas de varejo no Estado, é pelo fato de que, junho é o mês de muitas festividades, além de ter datas especiais para o comércio à exemplo do dia dos namorados, que ele diz ser a terceira data mais importante no ano. E também pelo mês trazer um grande fluxo de turistas para o Estado.

Em entrevista ao F5 News, Gilson Figueiredo acrescenta que este crescimento ainda foi pequeno, pela expectativa dos lojistas, porém afirma que o aumento foi constante.

Ainda segundo a pesquisa, em relação aos estados nordestinos, em junho de 2010, a Paraíba com 14,2%, Bahia com 10,4% e Pernambuco com 10,0%, receberam o título de maior crescimento de vendas do comércio no país. Já para as vendas nominais, quem se destacaram foram: Paraíba (18,4%), Piauí (15,05%) e Ceará (14,5%). Sergipe ficou em última colocação.

Entretanto, no mês de junho de 2011, Sergipe ficou entre os cinco estados do nordeste que apresentou uma das maiores taxas de crescimento, tanto nas vendas quanto nas receitas do comércio varejista.

Para o presidente da FCDL isto é reflexo de que nesses estados os valores oscilam um pouco. “Em outros meses o comércio atua melhor. É uma oscilação normal e uma  particularidade de cada estado. (...) Depende muito do mês”, ressalta.

Dia dos Pais

Segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas de Aracaju (CDL), entre os itens que devem ser prioridades são os aparelhos eletrônicos, a exemplo de celulares e smartphnoes, televisores, som, utensílios para automóveis, bebidas, perfumaria e cosméticos, sapatos, jóias e materiais esportivos.

A expectativa dos lojistas para o dia dos pais, segundo Gilson Figueiredo é positiva. A pretensão é de que haja um crescimento médio de 7% a 8%.

Questionado se as taxas de crescimento irá permanecer após o dia dos pais, o presidente declara que não acredita nessa possibilidade, porém garanti a volta da normalidade do comércio. “Vamos continuar tendo um crescimento, porém em percentuais menores”, confirma.

Brasil

Segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o comércio varejista brasileiro cresceu 0,2% no volume de vendas, no mês de junho deste ano, enquanto que a receita nominal teve variação de 0,6%, em relação ao mês anterior. Já em junho de 2010, as vendas e as receitas do comércio de varejo evoluíram 7,1% e 12,1%.

Mais Notícias de Economia
Reunião se estendeu até o começo da noite no Palácio dos Despachos. Foto: Mário Sousa/ASN
30/03/2020  21h01 Governo discute soluções para crise do coronavírus com setor produtivo
As entidades apontaram redução da atividade econômica do estado
Aneel autoriza operação comercial da Termoelétrica Porto de Sergipe
30/03/2020  11h49 Aneel autoriza operação comercial da Termoelétrica Porto de Sergipe
Unidades da Usina podem atender em média 15% da demanda do Nordeste
Coronavírus: BNDES anuncia R$ 2 bilhões de crédito para área da saúde
30/03/2020  07h18 Coronavírus: BNDES anuncia R$ 2 bilhões de crédito para área da saúde
Limite de crédito é de R$ 150 milhões por empresa a cada seis meses
Falta um dia para término do saque imediato de até R$ 998 do FGTS
30/03/2020  07h11 Falta um dia para término do saque imediato de até R$ 998 do FGTS
Dinheiro retornará à conta do trabalhador no dia 1º de abril, diz Caixa
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
28/03/2020  14h34 Governo lançará linha de antecipação de pagamento a fornecedores
Os gastos governamentais com fornecedores chegam a R$ 48 bilhões por ano