Portaria com novos valores dos benefícios do INSS é publicada
Com o reajuste de 4,48%, o teto passa a ser de R$ 6.101,06
Economia | Por Agência Brasil 14/01/2020 11h31 - Atualizado em 14/01/2020 11h32

Os benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) serão reajustados em 4,48%, com validade a partir de 1º de janeiro deste ano. Com o novo percentual de reajuste, o salário de benefício e o salário de contribuição não poderão ser inferiores a R$ 1.039,00, nem superiores a R$ 6.101,06.

A Portaria nº 914, de 13 de janeiro de 2020, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, que determina o novo percentual de reajuste, está publicada na edição desta terça-feira (14) do Diário Oficial da União.

Com o novo percentual, não terão valores inferiores a R$ 1.039,00 os benefícios de prestação continuada pagos pelo INSS correspondentes a aposentadorias, auxílio-doença, auxílio-reclusão e pensão por morte; de aposentadorias dos aeronautas, concedidas com base na Lei nº 3.501, de 21 de dezembro de 1958; e de pensão especial paga às vítimas da síndrome da talidomida.

O auxílio-reclusão, por exemplo, a partir de 1º de janeiro de 2020, “será devido aos dependentes do segurado cujo salário de contribuição seja igual ou inferior a R$ 1.425,56, independentemente da quantidade de contratos e de atividades exercidas”.

Com relação ao valor da cota do salário-família por filho até 14 anos de idade, ou inválido de qualquer idade, é de R$ 48,62 para o segurado com remuneração mensal não superior a R$ 1.425,56.

Mais Notícias de Economia
Foto: Arquivo F5 News
17/01/2020  16h00 Sergipe deixou de arrecadar cerca de R$ 1 bilhão por sonegação do ICMS
Foto: Arquivo F5 News
16/01/2020  16h55 Redução de preço da gasolina e diesel ainda não chegou aos postos
Foto: ASN
16/01/2020  15h28 Reunião na ANP discute construção de gasodutos em Sergipe
Foto: divulgação
16/01/2020  15h16 Faese destaca impacto positivo da isenção do ICMS dos derivados do leite
Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central
16/01/2020  11h12 Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central