Preço do feijão aumenta quase 80% e muda o prato do sergipano
De acordo com o IBGE, o tipo carioca ficou 78% mais caro na capital sergipana em fevereiro
Economia | Por Saullo Hipolito* 15/03/2019 06h00 - Atualizado em 14/03/2019 20h10

A mesa dos sergipanos sofreu uma modificação circunstancial nos últimos dois meses, o feijão aumentou. Com a baixa produção, o alimento chegou mais caro para os vendedores, que, consequentemente, repassam o produto com um valor mais alto para os consumidores. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), esse efeito é decorrente do excesso de chuvas em regiões de produção como São Paulo, Paraná e Mato Grosso.

De acordo com dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de janeiro, divulgados em fevereiro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a expectativa de colheita de feijão no Brasil era de 2,929 milhões de toneladas, representando 1,5% a menos em relação ao resultado do ano passado.

O saldo disso foi o aumento no produto para vendedores e consumidores em todo o país. Em Aracaju, por exemplo, as pessoas têm reclamado do alto valor que encontram e afirmam que vêm procurando meios para substituir o alimento.

“Feijão não pode faltar no nosso prato. É o alimento tradicional do brasileiro, mas com esse aumento a gente compra menos ou substitui por outro alimento com as mesmas proteínas, como o grão de bico”, disse a aposentada Josaildes Silva.

Para o vendedor Antônio Severiano (foto), que vende diversos tipos de feijão no Mercado Central de Aracaju, o aumento também é prejudicial aos vendedores. “A renda fica menor, temos que investir em outras vendas, infelizmente não estou ainda, mas tenho pretensão em ir para a área das frutas”, afirmou.

De acordo com dados do IBGE, divulgados nesta terça-feira (14), o feijão-carioca na capital sergipana recebeu uma alta de 78,46% em seu preço em fevereiro. Outros tipos de feijões que eram vendidos a R$ 3,50 o quilo até dezembro de 2018, foram encontrados custando sete, oito e até nove reais.

“Sabemos que é um preço alto, mas nada podemos fazer se estamos comprando com um valor alto também, infelizmente. Quem comprava cinco, compra dois; quem comprava três, compra um quilo e assim a gente segue”, afirmou o vendedor Zé Bigode.

“Até quando irão aumentar esses valores? A população mais pobre está sendo prejudicada e ninguém está vendo. O aumento do salário mínimo é uma farsa, se compararmos com o aumento dos nossos alimentos”, concluiu a aposentada.

* Estagiário sob supervisão da jornalista Fernanda Araujo.

Mais Notícias de Economia
Consumo de vídeo e áudio online cresce no Brasil, aponta pesquisa
31/05/2020  15h00 Consumo de vídeo e áudio online cresce no Brasil, aponta pesquisa
Mais de 70% dos internautas assistiram vídeo ou áudio online em 2019
Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 45 milhões
31/05/2020  11h15 Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 45 milhões
Na quina, 50 apostadores levaram mais de R$ 64 mil no prêmio deste sábado
Mães menores de idade podem pedir auxílio emergencial
30/05/2020  18h15 Mães menores de idade podem pedir auxílio emergencial
Novidade consta de nova versão de aplicativo lançada hoje pela Caixa
EUA anunciam mais US$ 6 mi para ajudar Brasil no combate à pandemia
30/05/2020  15h50 EUA anunciam mais US$ 6 mi para ajudar Brasil no combate à pandemia
Verba ajudará a reduzir impactos da pandemia, em especial na região amazônica
STF aprova mais 5 anos para adesão a acordo de planos econômicos
30/05/2020  14h00 STF aprova mais 5 anos para adesão a acordo de planos econômicos
Prazo ampliado servirá para encerrar disputas sobre planos econômicos