“Um quê de negritude” apresenta-se hoje no Teatro Tobias Barreto | F5 News - Sergipe Atualizado

“Um quê de negritude” apresenta-se hoje no Teatro Tobias Barreto
Entretenimento 08/11/2011 17h01

Notice: Undefined variable: creditofotocapa2 in /home/f5newsc/public_html/incs/inc_noticia.php on line 99


Por Fernanda Araujo

O grupo de dança “Um Quê de Negritude”, formado por 80 alunos do Colégio Estadual Atheneu Sergipense, fará uma apresentação no Teatro Tobias Barreto hoje, quarta-feira (9), às 19h. O grupo tem o objetivo de divulgar a história da cultura africana e afro-brasileira na sociedade.

Criado em 2007 pela professora do colégio, Clélia Ramos, baseado na Lei 10.639/2003 em parceria com a Secretaria do Estado da Educação (Seed), o projeto em sua 5º edição, é uma ação interdisciplinar que envolve professores de língua portuguesa, literatura, artes, história e geografia.

Segundo Clélia, durante a criação do grupo houve algumas dificuldades. “A princípio teve rejeição por parte de alguns alunos. Como era sobre a cultura afro, os alunos sentiam vergonha de dançar, mas depois foram participando, hoje eles querem aparecer, no bom sentido”, ironiza.

Além de sentir dificuldades financeiras, Clélia afirma que o surgimento do grupo foi por muitas vezes palco de preconceito. “Sentimos dificuldades em relação a mostrar a cultura, por causa do preconceito, até mesmo dentro da escola. Já cheguei a ser chamada de macumbeira e os alunos não se aceitavam como parte das origens africanas. E financeiras também, a cada ano há muitas barreiras para desembolsar o dinheiro para esse projeto que tanto necessita. Já senti desmotivação, mas a gente vence as dificuldades”, comenta.

Durante o espetáculo, o grupo fará uma retrospectiva da sua carreira, apresentando todas as coreografias criadas em seus cinco anos de existência. A apresentação do grupo também faz parte das comemorações do Novembro Negro, em homenagem ao mês do falecimento de Zumbi dos Palmares. O evento é voltado para aos alunos da escola e as secretarias do estado da educação e da cultura de Sergipe.

Para a professora, o projeto tem a importância de transmitir autoestima aos alunos e de exigir disciplina, responsabilidade e concentração. E critica a ação de algumas escolas e professores em não incluir nos estudos a história da África. “Não sei por que estudar a história dos Estados Unidos e de outros países e excluírem a história da África, o objetivo é mostrar a cultura do continente para o conhecimento da sociedade”, conclui Clélia.

Foto: Ascom / Seed

Mais Notícias de Entretenimento
Agência Sergipe/ Reprodução
28/01/2022  19h00 Museu da Gente Sergipana exibe 'Madonna e a Cidade Paraíso'
Programação celebra o Dia Nacional da Visibilidade Trans, a entrada é gratuita
Gabriela Schmidt/Divulgação
28/01/2022  16h59 Anitta revela inspirações para criação de Boys Don’t Cry
Cantora também falou sobre a pressão pelo sucesso
SEDURBS/ Reprodução
28/01/2022  06h00 Parque da Cidade: conheça um ambiente de pura natureza em Aracaju
Localizado na Zona Norte da capital, espaço conta com lindas paisagens naturais
Assessoria de imprensa/ Reprodução
27/01/2022  14h37 Circuito de brincadeiras promove diversão e solidariedade em Aracaju
As sessões têm duração de 20 minutos e são limitadas a 20 participantes por vez
Reprodução
27/01/2022  11h17 BBB22: internautas apoiam Natália após choro por Lucas e Eslo
"Eu acho que não sou tão forte. Ninguém gosta de mim", lamentou a sister