Reforma tributária deve ser votada na CCJ do Senado em 2 de outubro
Texto deverá ser discutido e votado já com sugestões feitas pelo governo
Política | Por Agência Brasil 18/09/2019 17h45 - Atualizado em 18/09/2019 19h16

O senador Roberto Rocha (PSDB-MA) apresentou hoje (18) à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) o  relatório sobre a proposta de reforma tributária (Proposta de Emenda à Constituição – PEC 110/2019).

Em razão de um pedido de vista, a votação da matéria foi adiada, mas a presidente do colegiado, senadora Simone Tebet (MDB-MS), adiantou que, no dia 2 de outubro, o texto deverá ser discutido e votado pela CCJ, já com sugestões feitas pelo governo.

O ponto principal prevê a criação do chamado Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), que terá as características de um tributo sobre valor adicionado (IVA).

A ideia é substituir nove impostos: sete deles federais (IPI, IOF, PIS/Pasep, Cofins, Salário-Educação e Cide-Combustíveis), além de um estadual (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços - ICMS) e um municipal (Imposto Sobre Serviços - ISS).

Segundo o relator, para atender uma demanda da equipe econômica, nesse novo imposto haverá uma alíquota para a União e outra para estados e municípios.

Impostos podem ser fundidos
“Fundiríamos os cinco impostos e contribuições sociais de competência da União em um IBS; e o ICMS e o ISS em outro IBS. Este último ainda com alíquotas fixadas por lei complementar”, frisa o relatório.

O texto propõe ainda a criação de um Imposto Seletivo para certos bens e serviços, como energia, telecomunicações e veículos e derivados do petróleo e do tabaco. O prazo para transição entre os sistemas seria de 10 anos.

“As diferenças eventualmente apuradas no novo sistema serão ajustadas para equalizar as receitas atualmente recebidas pelos entes federativos das três esferas”, propõe o relatório.

Para atender regiões menos desenvolvidas, o parecer também contempla uma demanda dos secretários de Fazenda dos estados e cria o Fundo de Desenvolvimento Regional, importante para regiões menos desenvolvidas.

Desoneração da Folha
O senador Roberto Rocha desistiu de propor a redução do imposto sobre a folha de salários. “A desoneração da folha ficou de fora porque nós já temos na Constituição - no artigo 195 - um dispositivo constitucional que dá um comando para a desonerar a folha por outros mecanismos, então não havia necessidade de colocar mais um”, justificou.

Além do projeto do Senado, hoje outro texto de reforma tributária já tramita na Câmara. Além disso, o governo também deverá enviar ao Congresso uma proposta de reforma tributária.

Mais Notícias de Política
Presidente Bolsonaro vai a ato de apoiadores em Brasília
31/05/2020  19h53 Presidente Bolsonaro vai a ato de apoiadores em Brasília
Ontem ele foi à Abadiânia (GO), parou em uma lanchonete e cumprimentou populares
Sucesso de lançamento é histórico para o planeta, diz Marcos Pontes
30/05/2020  19h56 Sucesso de lançamento é histórico para o planeta, diz Marcos Pontes
Para ministro, Brasil tem bons cientistas e potencial para tecnologia
Ministério da Justiça cria órgão para gerir fundo de segurança pública
30/05/2020  13h25 Ministério da Justiça cria órgão para gerir fundo de segurança pública
Decreto que cria a secretaria foi publicado no Diário Oficial da União
André Moura é exonerado do comando da Casa Civil do Rio de Janeiro
29/05/2020  10h32 André Moura é exonerado do comando da Casa Civil do Rio de Janeiro
Após oito meses no governo fluminense, sergipano diz que saiu "de forma amistosa"
Bolsonaro analisa três nomes e prevê evangélico para STF
29/05/2020  08h30 Bolsonaro analisa três nomes e prevê evangélico para STF
Presidente deve indicar duas vagas durante seu mandato presidencial