Colham, o tratorista sumiu!
Blogs e Colunas | Haroldo Araújo Filho 31/05/2019 14h52 - Atualizado em 03/06/2019 11h02

Graças ao avanço tecnológico, o mundo tem mudado em velocidade inigualável e jamais vista em sua existência.

Especificamente no setor produtivo rural, tal progresso tem fomentado exponencialmente sua evolução. Graças às novas tecnologias foi possível surgir modernos e eficientes implementos e insumos, cultivares mais produtivos e manejos culturais mais adequados, proporcionando assim números recordes de produtividade.

Esse avanço tecnológico adentra em uma nova era, onde o uso de um conjunto de técnicas e tecnologias, como inteligência artificial, robótica, nanotecnologia, geoestatística e startups do agronegócio, chamadas de “agritechs”, tem proporcionado o desenvolvimento da Agricultura de Precisão (AP).

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) define esse modelo como um sistema de manejo integrado de informações e tecnologias, fundamentado nos conceitos de que as variabilidades de espaço e tempo influenciam nos rendimentos dos cultivos.

Podemos encontrar essas tecnologias em várias ferramentas, dentre elas:

 - Nos veículos aéreos não tripulados (VANTs), também chamados de Drones, os quais, através de sensoriamento remoto, podem desempenhar diversas atividades, como monitorar a evolução vegetativa das lavouras, detectar pragas e doenças e gerar informações para identificação topográfica das áreas;

- Na automação de sistemas de irrigação, detectando a real necessidade de água pela lavoura, por consequência, economia desse importante recurso natural;

- No uso do Sistema de Posicionamento Global (GPS) pelos diversos sistemas de direção automática nos cultivos, evitando, por exemplo, falhas na uniformidade de plantio;

- Na robótica, com os já existentes protótipos de tratores não tripulados, que em breve serão comercializados, os quais maximizarão a eficiência, pois não serão apenas autônomos na direção, mas serão capazes se autorregular e tomar decisões no campo através da inteligência artificial;

- Na internet das coisas (IoT), proporcionando redução do desperdício e aumento da produtividade, como no uso de um tipo de assistente virtual que avisará: “não faça aplicação agora porque vai chover e você vai perder o produto”.

A utilização de toda essa tecnologia visa aumentar a produtividade, balizada na sustentabilidade ambiental, uma exigência da sociedade moderna.

Desta forma, a era da Agricultura de Precisão ainda mudará muito mais o setor rural, como nunca visto em sua história, por isso é necessário que os envolvidos se preparem para os novos tempos, a partir da profissionalização da atividade, do aperfeiçoamento da mão-de-obra e das adequações necessárias na legislação. Mas é necessário torcer para que a inteligência artificial não domine o Homo Sapiens. Mas aí é uma outra história, no campo da ética e da filosofia.

Mais Notícias de Haroldo Araújo Filho
11/10/2019  15h49

ENGENHARIA AGRONÔMICA: A SEMPRE PROFISSÃO DO FUTURO

13/09/2019  15h24

O MAR ESTÁ PARA PEIXE?

30/08/2019  17h02

IRRIGAÇÃO É REDENÇÃO E PASSAPORTE PARA O FUTURO

14/08/2019  10h42

VAMOS FALAR SOBRE GOVERNANÇA DE TERRAS?

26/07/2019  16h12

NÃO SE PRENDA. EMPREENDA!


Blogs e Colunas
Haroldo Araújo Filho
Haroldo Araújo Filho

Engenheiro Agrônomo do Incra/Ministério da Agricultura, formado pela Universidade Federal de Sergipe, pós-graduado em Irrigação (UFS). Secretário de agricultura de Riachão do Dantas (2005-2007); Superintendente regional do Incra em Sergipe ( 2016-2017); Delegado da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário em Sergipe (2017). Antes de ingressar no serviço público atuou em empresas comerciais do ramo agropecuário.

E-mail: hafaraujo@yahoo.com.br

O conteúdo e opiniões expressas neste espaço são de responsabilidade exclusiva do seu autor e não representam a opinião deste site.