Pessoas físicas não poderão ter contas em dólar indiscriminadamente
Diretor do Banco Central esclarece que liberalização vai ser gradual
Economia | Por Agência Brasil 08/10/2019 09h10

A liberalização cambial pretendida pelo Banco Central (BC) não contempla a abertura indiscriminada de contas em dólar por pessoas físicas, esclareceu hoje o diretor de Regulação do BC, Otavio Damaso. Segundo ele, somente algumas categorias de pessoas físicas, que lidam com moedas estrangeiras no dia a dia, serão beneficiadas.

Para Damaso, essas categorias de pessoas físicas podem trazer “eficiência” ao mercado de câmbio. Ele citou os exportadores como uma categoria que pode se beneficiar da autorização, no futuro. Entre as pessoas físicas, os diplomatas já contam com a possibilidade de terem contas em dólares.

Segundo o diretor do BC, a abertura cambial será feita de forma gradual e levará tempo. “O projeto [proposto pelo BC e anunciado hoje autoriza a ampliação [dos tipos de contas em dólar] dentro de um processo de médio e longo prazos, natural dentro da conversibilidade do real, um dos objetivos do projeto”, explicou.

Damaso destacou que segmentos da economia, como empresas de petróleo e embaixadas de representação de outros países, são autorizados a operar contas em dólares no Brasil. Outras categorias que podem ter contas em moeda estrangeira no país são agentes autorizados a operar em câmbio, emissores de cartões de crédito de uso internacionais, prestadores de serviços turísticos e sociedades seguradoras.

A principal novidade do projeto, de acordo com Damaso, consiste em delegar ao BC a prerrogativa de definir quais categorias poderão ter contas em moeda estrangeira.

“No futuro, em algum momento, sob certas circunstâncias, [o projeto] pode ser estendido [a outros setores]. Ele replica basicamente o que está na legislação em vigor, delegando ao BC a prerrogativa de permitir que alguns segmentos, sob algumas características, possam ter conta em dólar”, disse.

Barateamento

Damaso anunciou que as novas regras cambiais deverão baratear o custo de envio de remessas de dólares ao exterior, atualmente estimado em torno de 5% do valor da operação. O BC também pretende permitir que empresas emprestem dólares a terceiros ou a subsidiárias no Brasil, com a condição de que sejam respeitadas regras prudenciais (para evitar a quebra da empresa).

Outra novidade trazida pela nova legislação, informou Damaso, será a ampliação dos pagamentos em real no exterior. Atualmente, somente algumas lojas em freeshops (lojas em aeroportos que não aplicam alguns impostos) ou de grandes cadeias aceitam receber em real, o que trava o custo da compra pela taxa de câmbio do dia, trazendo mais previsibilidade para pagar a fatura.

Tramitação

O projeto de lei começará a tramitar pela Câmara dos Deputados e depois vai para o Senado. Caso aprovado pelo Congresso Nacional, a nova legislação cambial será gradualmente regulamentada pelo BC e pelo Conselho Monetário Nacional. Conforme Damaso, o processo pode levar um ano (após a aprovação do projeto) até a implementação total das novas regras.

Mais Notícias de Economia
Consumo de vídeo e áudio online cresce no Brasil, aponta pesquisa
31/05/2020  15h00 Consumo de vídeo e áudio online cresce no Brasil, aponta pesquisa
Mais de 70% dos internautas assistiram vídeo ou áudio online em 2019
Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 45 milhões
31/05/2020  11h15 Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 45 milhões
Na quina, 50 apostadores levaram mais de R$ 64 mil no prêmio deste sábado
Mães menores de idade podem pedir auxílio emergencial
30/05/2020  18h15 Mães menores de idade podem pedir auxílio emergencial
Novidade consta de nova versão de aplicativo lançada hoje pela Caixa
EUA anunciam mais US$ 6 mi para ajudar Brasil no combate à pandemia
30/05/2020  15h50 EUA anunciam mais US$ 6 mi para ajudar Brasil no combate à pandemia
Verba ajudará a reduzir impactos da pandemia, em especial na região amazônica
STF aprova mais 5 anos para adesão a acordo de planos econômicos
30/05/2020  14h00 STF aprova mais 5 anos para adesão a acordo de planos econômicos
Prazo ampliado servirá para encerrar disputas sobre planos econômicos