A Dívida Mundial
Blogs e Colunas | Saumíneo Nascimento 10/11/2019 11h57

O Fundo Monetário Internacional (FMI) realizou a sua Vigésima Conferência Anual de Pesquisa Jacques Polak em sua sede em Washington – Estados Unidos, de 7 a 8 de novembro de 2019. O tema da conferência foi a dívida mundial.

Segundo o FMI, a dívida global atingiu um novo recorde, alcançando agora mais de 230% da produção mundial. Porém segundo o FMI, nem toda a dívida é a mesma, nem é distribuída igualmente entre países, regiões ou setores. A dívida pode facilitar a expansão do investimento produtivo, incluindo os fundos para reparar e expandir a infraestrutura necessária para o crescimento econômico contínuo. Ao mesmo tempo, o excesso de dívida e o aumento do serviço da dívida podem deixar as economias vulneráveis ​​ao risco de rolagem, aperto repentino de crédito e até inadimplência. 

Dois dos diversos conferencistas do evento, Yun Jung Kim (Universidade de Sogang) e Jung Zhang (Federal Bank de Chicago), apresentaram uma pesquisa abordando a função da dívida no crescimento econômico, o que abordarei os principais pontos adiante.

Segundo os autores, a economia global experimentou um grande aumento no endividamento. A relação dívida média total/PIB aumentou de 111,2% em 1970 para 186,5% em 2014. No geral, o arelação dívida/PIB alcançou um nível recorde em 2018, gerando muitas preocupações entre os dois pesquisadores acadêmicos e formuladores de políticas sobre o que as implicações para o crescimento global podem resultar. A dívida pode ser benéfica para aumentar o consumo, acelerar a acumulação de capital e aumento do produto, mas o aumento dos serviços da dívida também pode deixar os países vulneráveis ​​a riscos e menor crescimento do PIB no médio prazo. Para esclarecer a discussão e para apoiar a análise de políticas, a pesquisa dos autores investigou a relação empírica entre a dinâmica da dívida e subsequente crescimento da produção.

A dívida tem correlações diferentes com o crescimento futuro do produto, dependendo do setor que a assume: famílias, empresas ou governos. O relacionamento também depende da fonte de financiamento: doméstico versus externo. Particularmente, diferentes formas de dívida externa (investimento estrangeiro direto, patrimônio estrangeiro, empréstimos e reservas estrangeiros) têm diferentes correlações com o crescimento do produto no médio prazo. É importante ressaltar que todos esses padrões diferem entre países com graus variados de desenvolvimento econômico ou taxa de câmbio de diferentes regimes.  A compreensão desses padrões é fundamental para investigar os mecanismos subjacentes às ligações entre endividamento e crescimento.

 

Os autores Yun Jung Kim e Jung Zhang avaliaram minuciosamente dados da dívida por setores econômicos endividados e examinaram países com graus variados de desenvolvimento econômico (economias desenvolvidas e em desenvolvimento) e diferentes regimes cambiais (fixo e flexível).

 Além disso, eles investigaram se o endividamento contribui para o crescimento através do consumo ou investimento. O resultado foi que eles encontraram  relações surpreendentemente diferentes entre a mudança no endividamento de cada setor e subsequente crescimento da produção nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Uma expansão da dívida das famílias/PIB está associado a um declínio no crescimento do produto nos termos médios. Essa correlação negativa existe para ambos os grupos de países, mas é mais forte nos países em desenvolvimento. Um aumento de um desvio padrão na dívida das famílias / PIB (6,6 pontos percentuais) está associado a um declínio de 1,3 pontos percentuais no crescimento do PIB próximos três anos nos países desenvolvidos e um declínio de 1,8 pontos percentuais nos países em desenvolvimento.

Segundo os autores, um aumento da dívida firme/PIB está associado negativamente ao crescimento imediato do produto somente nos países desenvolvidos. Um aumento da dívida pública/PIB está negativamente associado à crescimento da produção a médio prazo apenas nos países em desenvolvimento.

Além disso, eles descobriram que a relação negativa entre uma expansão nos agregados familiares, crescimento da dívida e subsequente produto é mais forte nos países com câmbio fixo e regime de taxas do que nos países com um regime de taxa de câmbio flexível. A magnitude da relação negativa é quase duas vezes maior no regime de taxa de câmbio fixa do que no regime de câmbio flexível. Além disso, o efeito negativo persiste por mais tempo sob o câmbio fixo regime de taxas de câmbio do que sob o regime de taxa de câmbio flexível.

Sobre as fontes de financiamento da dívida, os autores encontraram diferentes formas de dívida externa e relações distintas com o crescimento futuro da produção nos países desenvolvidos e em desenvolvimento.  A expansão dos investimentos em Investimento Externo Direto ou de capital está negativamente correlacionada com o crescimento do produto nos países desenvolvidos, mas está positivamente correlacionado com o crescimento da produção nos países em desenvolvimento. Por outro lado, uma expansão da dívida externa/PIB está negativamente correlacionada com o crescimento do produto e é particularmente significativo e forte nos países desenvolvidos. Finalmente, um aumento das reservas/PIB está significativamente e positivamente correlacionado com o crescimento imediato do produto.

Entendo que a análise dos autores remete a importantes reflexões e sinaliza que devemos ficar atentos para o crescimento do nível de endividamento dos países, e cuidar da gestão adequada da dívida. De qualquer forma é importante que saibamos que os países mais ricos do mundo em geral são também os mais endividados. As quatro maiores dívidas mundiais por ordem são: 1º - Estados Unidos, 2º - Reino Unido, 3º - França e 4º - Alemanha, o Japão ocupa a 7ª posição, a Itália a 9ª posição, a China 13ª posição  e o Brasil a 19ª  posição entre os países endividados, mas precisa ainda busca um melhor gerenciamento da sua dívida.

Mais Notícias de Saumíneo Nascimento
08/07/2019  07h44

Mudança de comando no FMI

10/06/2019  09h07

INTERNACIONALIZAÇÃO DO GRUPO TIRADENTES DE EDUCAÇÃO

12/05/2019  07h35

A Busca da Segurança Alimentar

04/03/2019  20h40

Gastos Mundiais com Saúde

03/02/2019  06h46

O 100º Prêmio Nobel da Paz


Blogs e Colunas
Saumíneo Nascimento
Saumíneo Nascimento

Saumíneo Nascimento é Economista, Mestre e Doutor em Geografia, tem Pós-Doutorado em Ciência da Propriedade Intelectual pela UFS, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, da Associação Brasileira de Relações Internacionais e da Academia Nacional de Economia.

E-mail: saumineon@gmail.com

O conteúdo e opiniões expressas neste espaço são de responsabilidade exclusiva do seu autor e não representam a opinião deste site.