“Estou pronta para entrar em campo”, diz Katarina Feitoza
Blogs e Colunas | Joedson Telles 19/07/2020 11h12 - Atualizado em 20/07/2020 09h01

A delegada de Polícia Civil Katarina Feitoza (PSD), que é mais um quadro novo à disposição do pré-candidato à Prefeitura de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PDT), para a formação da chapa, se diz pronta para o desafio. “Posso aliar a minha experiência na gestão de Segurança Pública com projetos sociais”, diz. Katarina, todavia, não reforça as especulações em torno de um trabalho interno do governador Belivaldo Chagas (PSD) para a escolha do seu nome. Ela vê Edvaldo como um treinador de um time que tem um superelenco nas mãos. “Cada um tem um talento específico. A minha expertise, por exemplo, nunca foi testada na política. Sou técnica, delegada de polícia há 19 anos, compromissada com o serviço público e com projetos que melhoram a vida do povo... Pode apostar que já estou aquecida e pronta para entrar em campo”,assegura.    

Qual o balanço que a senhora faz do seu trabalho como delegada de Polícia Civil em Sergipe?

Passei por duas vezes pelo comando da Polícia Civil nos últimos 10 anos, sendo que esta última gestão foi de abril de 2017 a junho de 2020. Foi um tempo de muito trabalho e gostaria de elencar alguns pontos que foram cruciais para melhora do atendimento à população e para modernizar o serviço policial. Criamos o Gabinete de Gestão Integrada Operacional para monitorar os principais tipos de crimes em Sergipe e, graças a um somatório de forças, estamos reduzindo há três anos seguidos os crimes de homicídios, roubos a banco, roubos de carga, roubos e furtos de veículos, entre outros delitos. Modernizamos as delegacias com a implantação dos Procedimentos Policiais Eletrônicos, reduzindo os papéis e a burocracia; inauguramos a Central de Flagrantes 24 horas, o plantão de gênero do DAGV, um dos primeiros do Brasil, ampliamos as delegacias plantonistas para mais seis municípios do Estado. Junto a Assembleia Legislativa aprovamos a Lei de Combate a Lavagem de Dinheiro e Recuperação de Ativos. Criamos o Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri) e realizei o 4º concurso para delegados de polícia. 11 foram nomeados até agora. Também convoquei todos agentes e escrivães do concurso de 2014 e deixamos um Estudo pronto para realização de um novo concurso para agentes e escrivães. Tenho orgulho de dizer que a minha gestão foi a responsável pela realização de dezenas de operações contra associações criminosas, tirando milhares de criminosos de circulação. Modernizamos o efetivo policial, com a distribuição de pistolas Glock, de última geração. Por fim, deixei o comando da Polícia Civil com um Planejamento Estratégico em execução até o ano de 2021. É uma forma de pensar o presente de olho no futuro.

Deixar o cargo de delegada geral da PC para encarar os desafios da política foi uma decisão sua com o apoio do governador Belivaldo Chagas ou passa bem mais por ter atendido a um chamado dele? Como se deram os entendimentos?

Inicialmente, tomei como surpresa a minha indicação. Sempre fui técnica, mas minha gestão a frente da Polícia Civil despertou interesse. O governador Belivaldo Chagas percebeu que tinha perfil para tocar projetos e perfil conciliador e por isso surgiu o convite para que eu colocasse o meu nome à disposição do pleito eleitoral de 2020 como pré-candidata a vice-prefeita de Edvaldo Nogueira. Resolvi aceitar por vislumbrar um novo campo a ser explorado a favor da sociedade, onde posso aliar a minha experiência na gestão de Segurança Publica com projetos sociais.

Há o compromisso do governador Belivaldo Chagas de trabalhar dentro do bloco pela sua indicação como pré-candidata a vice, juntando-se ao pré-candidato Edvaldo Nogueira? Como avalia essa possibilidade?

O meu nome foi colocado como uma opção na chapa do prefeito Edvaldo Nogueira, mas isso não significa que o governador Belivaldo Chagas assumiu um compromisso de me tornar candidata a vice-prefeita. Ainda tem muita água para correr antes das convenções. O governador e o meu partido PSD sabem que sou disposta e gosto de enfrentar desafios; porém, repito, publicamente, que tenho humildade de reconhecer que se não for indicada voltarei para a Polícia Civil, que é meu lar natural.

O PSD tem outros nomes, como, por exemplo, o do advogado Jorginho Araújo, que é bem próximo não só do prefeito, de quem, inclusive, foi secretário, mas também do deputado Fábio Mitidieri, outro líder do bloco. Como analisa essa "disputa" interna do PSD? O que acredita que pesará para a escolha do nome?

O prefeito Edvaldo Nogueira está como aquele técnico de futebol que tem um superelenco no banco de reservas. Qualquer nome que for escolhido para entrar em campo fará um bom papel. São excelentes opções, mas cada um tem um talento específico. A minha expertise, por exemplo, nunca foi testada na política. Sou técnica, delegada de polícia há 19 anos, compromissada com o serviço público e com projetos que melhoram a vida do povo. Se essas características pessoais e profissionais pesarem na hora da escolha da candidata a vice-prefeita, pode apostar que já estou aquecida e pronta para entrar em campo.

O que Aracaju pode esperar da política Katarina Feitoza?

O meu perfil é de mulher e profissional inquietas. Fazer figuração ou ser mera peça decorativa não fazem parte do meu estilo. Sempre estarei atenta a todos os planejamentos para melhorar a vida das pessoas. Passei por duas vezes pelo comando da Polícia Civil e sempre planejei e fiscalizei cada projeto, cada meta, cada execução. Participarei de tudo o que diz respeito ao desenvolvimento e crescimento da cidade. Tenho projetos pilotos para os bairros mais carentes da cidade, coisa que nunca pude fazer porque estava fora da política. Farei uma associação entre as áreas de Assistência Social, Desenvolvimento Urbano e Segurança Pública. Os anos à frente do comando da Polícia Civil me fizeram constatar na prática que a segurança pública sozinha não reduz a criminalidade. É um somatório de esforços.

O que destacaria na gestão Edvaldo Nogueira como positivo?

Como cidadã, noto que Edvaldo está fazendo uma boa gestão. É visível que vários setores da administração pública de Aracaju tiveram sensível melhora com ele à frente do município. As pessoas veem nas ruas o grande número de obras, de reformas de espaços públicos, de melhora de alguns serviços. Edvaldo é um político muito experiente e conhece bem os anseios do povo de nossa capital. 

Quais devem ser as prioridades do prefeito de Aracaju, a partir de janeiro de 2021?

O prefeito tem demonstrado que saúde, educação pública de qualidade e reconstrução do aspecto urbano de nossa capital tem sido o norte de sua administração...

A pandemia obrigará uma campanha atípica, em 2020. O chamado corpo a corpo está em xeque. Ao que tudo indica, as redes sociais terão ainda mais força. Isso prejudica mais a situação ou a oposição?

A pandemia está reinventando as relações humanas. Não sabemos quais as consequências desse afastamento social nos relacionamentos interpessoais a médio e longo prazos. A política tradicional da forma que a conhecemos não ficaria imune as essas mudanças. Não se trata de prejudicar oposição ou situação. Todos somos afetados de alguma maneira e esse afastamento forçado trará complicações que ainda desconhecemos.

A senhora também prestou solidariedade ao prefeito Edvaldo Nogueira, por conta da Operação da Polícia Federal na investigação do Hospital de Campanha de Aracaju? Como avalia este episódio?

Acredito nas nossas instituições. Acredito na competência e seriedade dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, da PF e da PC, assim serei sempre a favor que as situações sejam esclarecidas através de investigações sérias. Contudo, acredito na honestidade do homem público Edvaldo Nogueira e sei que tudo será esclarecido e todas as dúvidas sanadas.

Mais Notícias de Joedson Telles
André faz balanço da passagem pelo Rio e explica porque entregou o cargo
20/09/2020  19h25 André faz balanço da passagem pelo Rio e explica porque entregou o cargo
Obras, realizações guiarão o voto para prefeito de Aracaju, avalia Heleno Silva
14/09/2020  19h03 Obras, realizações guiarão o voto para prefeito de Aracaju, avalia Heleno Silva
07/09/2020  08h32 "Ser processado enquanto gestor é inevitável", afirma Valmir
Mendonça teme que políticos transmitam o coronavírus para o eleitor
30/08/2020  08h37 Mendonça teme que políticos transmitam o coronavírus para o eleitor
23/08/2020  10h11 "Essa coligação com Eduardo, Edivan, Valadares é o novo", diz JB

Blogs e Colunas
Joedson Telles
Joedson Telles

Joedson Telles é um jornalista sergipano formado pela Universidade Federal de Sergipe e especializado em política. Exerceu a função de repórter nos jornais Cinform, Correio de Sergipe e Jornal da Cidade. Fundou e edita, há nove anos, o site Universo Político e é colunista político do site F5 News.

E-mail: joedsontelles@gmail.com

O conteúdo e opiniões expressas neste espaço são de responsabilidade exclusiva do seu autor e não representam a opinião deste site.